O exercício é importante não apenas nas fases onde os hormônios estão mais baixos, mas em todas as idades.

Eu sou suspeito para falar de atividade física, sou completamente adepto. Para adolescentes é ótimo, pois auxilia no fortalecimento que acompanha o desenvolvimento. Para idosos, posso dizer que deveria ser obrigatória, já que o fortalecimento acaba por impedir a perda da massa muscular, sem contar que ajuda na osteoporose, previne as quedas e contribui muito para a saúde emocional.

Existe uma ideia um tanto errada da atividade física, pois a maioria das pessoas acha que os exercícios envolvendo força não são capazes de emagrecer, mas isso é um erro. Saiba que o hábito de exercitar-se faz com que o corpo gaste mais energia, mesmo nos momentos em que não está em movimento.

Quando você se exercita, acelera o seu metabolismo, inclusive quando não está fazendo absolutamente nada. O acúmulo de gordura deixa o metabolismo lento, enquanto os músculos acabam por deixar o seu sistema mais rápido.

Ou seja, quanto mais músculos o seu corpo tiver, mais fácil será para emagrecer.

 

Mulher e a Menopausa

Falando agora da menopausa, o meu objetivo aqui é que toda mulher possa enxergar a atividade física como uma aliada nesta fase, a atividade física é uma grande amiga da menopausa.

Explicando, a menopausa é o período onde acontece o encerramento das funções férteis da mulher, acaba-se o ciclo menstrual e acaba também a ovulação, a mulher não é mais capaz de engravidar, e logicamente isso acontece pois os hormônios que causam isso, também diminuem no corpo.

Assim como não existe uma data ou regra que diga quando as meninas têm a sua primeira menstruação (menarca), também não existe a regra que diga quando a mulher irá entrar na menopausa, assim, este ciclo fértil depende de cada organismo, mas geralmente a menopausa acontece a partir dos 40 anos.O que acontece é que a menstruação começa a ficar mais espaçada, até desaparecer por completo.

Outros sintomas nada agradáveis também chegam com a menopausa, como os chamados “calorões”, suores noturnos e insônia. Além de uma não desejada diminuição do apetite sexual, acompanhada pelo ressecamento vaginal, sem contar a perda da massa óssea e o aumento do risco cardiovascular. Este conjunto de fatores pode levar à depressão.

Caso a mulher seja sedentária, a perda óssea fica muito mais séria, pois os ligamentos e tendões podem endurecer, levando também a uma perda de massa muscular, causando fraqueza, o que leva a diminuir a qualidade de vida.

 

Mas o mais importante é saber que na menopausa, o modo com que o corpo distribui a gordura no corpo da mulher, é significativamente alterado. A vida toda elas são acostumadas a ter um acúmulo de gordura nas zonas externas, como quadril e coxas.

Os responsáveis pelo controle da distribuição de gordura são os hormônios femininos, que nesta fase estão em baixa, portanto este padrão da distribuição de gordura começa a se alterar e ficar parecido com o que acontece nos homens, que apresentam o acúmulo de gordura internamente.

 

Atividade Física e Menopausa

Aí é a hora que entra a atividade física como uma grande aliada das mulheres na menopausa, pois a prática da atividade física proporciona um aumento no processo onde as proteínas são captadas, retidas e estimuladas pelo músculo, desenvolvendo uma maior absorção de cálcio pelos ossos e reduzindo o risco de outras doenças.

A atividade física também ajuda no momento em que promove um alto gasto calórico, pois o esforço, a força empregada acaba por acelerar o metabolismo, além de gerar um aumento significativo de massa muscular.

Com o aumento da massa, ocorre um maior gasto energético, mesmo sem realizar atividade alguma, nos horários de lazer e descanso, se gasta mais energia quando a massa muscular é maior, o que acaba sendo de grande valia para lutar contra o acúmulo de gordura interna que surge com a mudança de padrão originada pela menopausa.

Além de todos estes benefícios, a prática da atividade física leva a uma socialização, leva ao contato com pessoas diferentes, com a troca de experiências com outras pessoas, conviver com diferentes grupos e ambientes, o que estimula a auto estima e a memória.

Mas não se esqueça, além do exercício físico, uma alimentação balanceada, rica em frutas, legumes, verduras, fibras e muita água, vai ajudar muito. Sugiro a orientação de um profissional de educação física e também de um nutricionista para contribuir com as informações corretas e manter a qualidade de vida, mesmo na menopausa!

Sugiro também a leitura do meu post Andropausa e Menopausa: Envelhecimento Hormonal e Tratamentos

Dr. Victor Sorrentino