A Páscoa está chegando e aproveito pra falar sobre o queridinho do momento: o chocolate.

É indiscutível que o chocolate atua com sucesso no humor das pessoas, deixando todos mais felizes, ele promove inúmeras reações no corpo inclusive liberando uma sensação de prazer.

Segredo dos Chocolates: O Cacau

O cacau impulsiona aquela sensação de bem-estar, aumentando os níveis de serotonina no cérebro, a substância química que faz você sentir-se bem. Por esta razão o cacau fornece um impulso positivo no humor das mulheres durante a TPM e a menstruação, quando os níveis da serotonina são frequentemente baixos. Na verdade, as mulheres são mais sensíveis ao cacau do que os homens, mas isso nem é preciso falar!

Não é difícil sentir a mudança, uma piora no sabor dos chocolates disponíveis no mercado. E acredito que finalmente consegui decifrar o  porquê o chocolate mudou e não é mais o mesmo.

Cacau: Um Poderoso Antioxidante

Antes de qualquer coisa, sobre o cacau, saiba que ele é considerado pela ORAC, como o alimento de maior nível de antioxidante do mundo. A medida ou escore ORAC (Oxigen Radical Absorbance Capacity) é um padrão científico que atribui o valor antioxidante para alimentos e substâncias. Quanto mais alto o número ORAC, maior o poder antioxidante da substância.

Dos alimentos do planeta, cacau (chocolate natural cru) entrega o maior índice de antioxidantes. Cacau é um dos chamados super alimentos e é o mais rico em antioxidantes no mundo!

O Cacau é muito rico em minerais como:

  • Zinco
  • Magnésio
  • Cálcio
  • Fósforo
  • Zinco
  • Potássio
  • Selênio
  • Ferro
  • Fonte de Fibra

Sobre a história do chocolate

Vamos retroceder um pouco história: a palavra chocolate é de origem Maya e quer dizer água amarga. Por mais de 4000 anos o cacau, planta originária da Amazônia, gerou uma bebida muito peculiar e com inúmeras propriedades medicinais, que era consumida em momentos mais especiais na vida de Mayas e Aztecas.

Os antigos povos das Américas se referiam ao cacau como “Alimento dos Deuses”

Foi após a chegada de Cristóvão Colombo e a colonização das Américas que esta bebida chegou à Europa e ficou por quase cem anos restrita aos espanhóis. Já veio adoçada por freiras católicas que colonizavam as terras das Índias Ocidentais.

O chocolate em barra surgiu quando Van Houten fabricou uma prensa a vapor que permitiu separar completamente os 54% de gordura do cacau: a manteiga de cacau. Esta gordura foi adicionada ao leite, ao extrato de cacau, frutas, mel ou açúcar e se transformou no chocolate como o conhecemos hoje.

O chocolate ao leite é invenção de um suíço, Daniel Peter, em 1879 com os auspícios da invenção de outro suíço, Henri Nestlé, o leite em pó. Em princípio a cronologia poderia parar por aqui.

A Introdução da Gordura Vegetal Hidrogenada

Em 1975, um furor de baixar os custos tornou o ponto de partida da iniciante globalização, a Inglaterra iniciou o uso da “porcaria” da gordura vegetal hidrogenada substituindo manteiga de cacau e leite para a fabricação do chocolate.

Países como a Bélgica, França e Itália mantiveram uma regra interessante: obrigar o termo “substituto de chocolate” ao chocolate que fosse feito com a soja.

Isto ficou em debate por anos, até que em 1999 o Parlamento Europeu cedeu a pressão e deu ganho de causa à Inglaterra na definição do que é chocolate. Mais uma vez o poder econômico venceu o bom senso e amplificou as forças contrárias à saúde humana.

Mas o que aconteceu com os chocolates?

Infelizmente, o chocolate que está disponível nas prateleiras no momento, não é mais o mesmo.

Dá para dizer que de 1999 para cá o chocolate nunca mais foi o mesmo. As fórmulas passaram a ser corrompidas com lecitina de soja e Gordura Vegetal Hidrogenada (GVH), com o intuito de baixar o preço. Mas chocolate sem manteiga de cacau não é bem chocolate.

Atualmente é possível comprar bombons ou barras de chocolates em qualquer lugar a preços baixíssimos. Mas será que estamos realmente comprando o que queremos, o Chocolate? Podem ter certeza que não estamos, infelizmente!

Alguns profissionais de saúde mal informados com a fantasia de que a gordura animal saturada (em função do leite) é problemática e a solução é a GVH, apoiaram a produção desta guloseima modificada que tem, de forma enganadora, o nome de chocolate no rótulo.

E é triste estudar, estar informado realmente sobre o incrível mal que os Óleos Vegetais têm causado a saúde das pessoas sem conseguir fazer com que esta informação chegue em tempo de evitar que esta geração que está por vir, e seja literalmente infectada com este veneno.

O chocolate mudou, ele ficou pior, e se continuar nesse ritmo vai sumir e se reduzir a um produto oleoso hidrogenado de soja com aromatizante artificial de cacau, esta é a infeliz verdade sobre o que estamos ingerindo. Quando você sentir que o sabor está diferente ou está pagando um preço muito baixo, saiba que está comendo mais Gordura Vegetal Hidrogenada do que Chocolate.

Dicas para escolher o seu chocolate:

  • Verifique na composição dos produtos descrita na embalagem e tente descobrir quais não têm GVH (gordura vegetal hidrogenada)
  • Atualmente já é possível encontrar chocolates onde está escrito Cacau 70. Já é uma opção “menos pior”
  • Açúcar não faz bem a ninguém, por outro lado, a maioria dos adoçantes fazem pior ainda, portanto procure para escolher bem o seu alimento e não caia na cilada dos light.

Alternativas Saudáveis ao “Chocolate”

Eu confesso que gosto de chocolate, mas fui deixando de ingerir ao longo do tempo e fui substituindo por opções mais saudáveis, através das quais posso realmente ter os efeitos benéficos do cacau.

Para matar aquela vontade do chocolate, há boas opções como:

  • Chocolates amargos, orgânicos, com proteína, sem glúten, sem açúcar, etc.
  • Cacau em Pó é uma boa opção, mas fique atento que não tenha açúcar, nem GVH
  • Cacao Nibs, é o menos processado feito diretamente das amêndoas da fruta cacau, é o que possui os melhores benefícios com mais flavonoides e antioxidantes.

Aproveito para te desejar uma boa Páscoa, com mais cacau e menos “chocolate”!

Leia também meu artigo sobre Compulsão Alimentar

Victor Sorrentino