Hormônios e doenças cardiovasculares: entenda a relação

Hormônios e doenças cardiovasculares: entenda a relação

De que forma os hormônios impactam as doenças cardiovasculares?

Os hormônios são substâncias com receptores por todas as células do organismo. Isso significa que nossa saúde de forma geral depende do equilíbrio hormonal. Quando nosso organismo não produz os hormônios de forma ordenada, iniciam os problemas, que vão desde mau-humor e indisposição até a manifestação de doenças.

O coração faz parte do organismo humano. Assim, quando tratamos uma doença cardiovascular, não podemos considerá-lo um órgão isolado. Nenhuma intervenção de qualquer natureza deve ser proposta sem considerar o organismo como um todo.

Caso contrário, um medicamento utilizado para o coração pode impactar negativamente outros órgãos. Por isso, todo diagnóstico é individualizado e proposto de forma exclusiva para cada paciente.

Continue até o final deste artigo para descobrir como os hormônios e as doenças cardiovasculares estão relacionados.

A menopausa e as doenças cardiovasculares

São diversas as evidências de que os hábitos de vida e as alterações hormonais impactam diretamente a saúde do coração.

Durante toda a sua vida fértil, supondo que jamais faça uso de métodos contraceptivos hormonais, a mulher produz o estrogênio. Esse hormônio, entre outros diversos papéis que exerce na fisiologia feminina, ajuda a estabilizar a pressão arterial e protege as paredes dos vasos sanguíneos de forma direta.

A partir dos anos 1980, estudiosos observaram o fenômeno que eram os casos de infarto após as mulheres atingirem a idade da menopausa. Se o estrogênio tem essa função de proteção durante a vida, por que não estendê-la?

Foi assim que a reposição hormonal para mulheres passou a ser prescrita. Quando recomendada de maneira correta, de acordo com a necessidade real da mulher, ficou comprovado que diminui os riscos de doenças cardiovasculares.

A reposição hormonal administrada desde os primeiros sintomas do climatério (fogachos, oscilações de humor, etc) ajudou as mulheres a preservar a saúde do coração.

Então, toda mulher deve fazer reposição hormonal? Depende! Ela precisa ser examinada de forma bem específica para receber essa reposição. Em alguns casos, somente a atividade física é suficiente para reequilibrar o organismo e prevenir as doenças cardiovasculares.

E os anticoncepcionais?

Se os hormônios ajudam a equilibrar o organismo, os anticoncepcionais podem ter ação positiva, certo? Errado. Os anticoncepcionais afetam a fisiologia da pior forma possível.

A administração desses hormônios esteroides em mulheres desde os primeiros anos de sua vida fértil aumenta muito os riscos de desenvolver problemas como a trombose venosa profunda. Isso compromete a circulação do sangue pelas veias devido a coágulos.

Além disso, a pílula anticoncepcional cessa a produção do estrogênio por parte dos ovários. Este é o hormônio responsável pela preparação do útero para receber uma gravidez.

Quando deixa de produzir esse hormônio por anos seguidos, perde a proteção natural proporcionada pelo estrogênio. Lembre-se que o hormônio disponível na pílula é artificial, portanto, bastante diferente daquele produzido nos ovários.

Leia também: Estresse e doença cardiovascular estão interligados

Hormônios masculinos

Os homens não são submetidos ao consumo de hormônios desde a adolescência, o que torna menos complexa a reposição hormonal quando atingem a andropausa – similar à menopausa para as mulheres.

No entanto, muitos podem ter realizado a reposição durante a vida em um contexto de malhar em prol do crescimento muscular. Esses casos devem ser analisados com maior cuidado, afinal, a reposição hormonal sem a prescrição individualizada eleva os riscos das doenças cardiovasculares.

A reposição dos hormônios, no início da andropausa, também tende a diminuir a chance de desenvolver doenças cardiovasculares. É importante deixar claro o quanto essa reposição deve ser 100% personalizada devido aos níveis hormonais variarem bastante de um homem para outro.

Esqueça essa conversa de que é preciso manter quantidade X de testosterona para ficar longe de qualquer doença. O acompanhamento médico é fundamental nesse contexto.

Mas, atenção: a reposição hormonal funciona melhor quando você cuida da sua saúde de maneira geral. Quem segue o meu trabalho, sabe em que tecla eu sempre bato:

Você deve ser o seu melhor médico!

Você é o único que pode observar a sua saúde 24 horas por dia, 7 dias por semana. A reação a cada alimento ou medicamento. Como se sente após cada tipo de atividade física. Tudo isso deve ser relatado ao médico em uma eventual consulta. Se você não presta atenção, como pode relatar?

Sei que existem muitos mitos sobre doenças cardiovasculares. Os assuntos são pouco esclarecidos para o público. Por isso, concentrei todas as informações em um curso online a fim de orientar quem procura melhorar a saúde do coração: Curso Forte Coração.

Nesse curso, você vai aprender:

  • Como funciona o coração;
  • Como funciona o sistema cardiovascular;
  • Por que determinadas estratégias melhoram esse sistema;
  • Quais são essas estratégias (suplementos, atividades físicas, fitoterápicos);
  • Qual alimentação mais favorece o sistema cardiovascular.

O curso será lançado dentro de poucos dias. Inscreva-se para ser adicionado ao nosso Grupo do Telegram, tirar suas dúvidas e ser avisado primeiro sobre a abertura das inscrições: Curso Forte Coração.

Para saber mais sobre a relação entre hormônios e doenças cardiovasculares, assista ao vídeo abaixo e aproveite para se inscrever em meu canal do YouTube.

Espero por você!

Dr. Victor Sorrentino

Conheça o método para viver com muita saúde e energia.