O que a alimentação tem a ver com a insônia?

O que a alimentação tem a ver com a insônia?

Saber o que a alimentação tem a ver com a insônia pode mudar a sua relação com você mesmo. Quando falo em insônia, as pessoas pensam automaticamente em longas noites em claro.

Não é apenas esse tipo de situação que faz mal para a sua saúde. Dormir poucas horas, ou não dormir profundamente, impede o corpo de regenerar as suas células.

A consequência disso a curto prazo é a falta de concentração nas atividades cotidianas. Mas, a conta chega a médio e longo prazo: envelhecimento precoce, imunidade baixa e desenvolvimento de doenças.

O sono de má qualidade tem muitas causas, sendo a alimentação apenas uma delas. Para saber como se alimentar de forma que o seu sono seja favorecido, leia o artigo até o final.

Hora de comer e hora de dormir

O horário de sono e da alimentação estão sempre relacionados. Afinal, estamos falando de necessidades fisiológicas, ou seja, hábitos que são essenciais à nossa vida. Essas decisões regem nosso ciclo cardiano.

Alinhar o momento da última refeição de forma que favoreça o seu sono é primordial ao seu ciclo de sono. Antes de falar sobre os alimentos recomendados para este momento, sobre o qual vou me referir como ceia, é ainda mais importante pensar na hora que eles entram no organismo.

A Sociedade Europeia de Cardiologia realizou estudo sobre os efeitos da comida no corpo conforme o horário que é consumida. Ao todo, 700 adultos participaram e ficou comprovado: ingerir uma farta refeição à noite impacta negativamente a pressão arterial.

Em nossa fisiologia natural, o mais comum é que a pressão arterial seja reduzida à noite. Entre os participantes da pesquisa que comeram até duas horas antes de dormir, 24,2% não teve registro da queda adequada da pressão sanguínea. Entre os que jantaram mais cedo, a porcentagem foi de 14,2%.

Quando consumimos alimentos, principalmente calóricos, antes de dormir, o organismo libera hormônios como cortisol e adrenalina. Assim, todo o corpo entra num estado de alerta, quando deveria desacelerar para adormecer.

Leia também: Melatonina: a verdade sobre o funcionamento do sono

Quais alimentos consumir?

Assim, o recomendado é que você faça sua ceia composta por alimentos leves, pelo menos 3 horas antes do sono. Se você se deita às 23 horas, alimente-se às 20 horas.

Para este momento, você deve priorizar:

Alimentos ricos em triptofano: Salmão, queijo branco, nozes, mel, peito de peru.

Alimentos ricos em vitamina B6: Banana, atum, cenoura, espinafre, melancia, ervilha.

Alimentos ricos em vitamina C: Frutas cítricas, aspargos, acelga, pimentão.

Alimentos ricos em magnésio: Arroz integral, alho, ameixa seca, nozes.

Carboidratos complexos: Grãos integrais como chia e linhaça.

Todos os alimentos listados contribuem para a boa regulação do organismo antes do sono, sem liberar os hormônios relacionados ao estado de alerta.

E sobre o que evitar…. São alimentos bem conhecidos. Café, bebidas energéticas, chocolate, gengibre e açaí são alguns exemplos.

Portanto, entender o que a alimentação tem a ver com a insônia é simples. Trata-se da equação da hora de comer e sobre qual alimento ingerir.

Lembre-se que o sono de qualidade é uma das mais preciosas chaves para a longevidade. Se você está nesse blog, é sinal de que está consciente disso.

Parabéns por cuidar da sua saúde!

Eu espero que você realmente coloque em prática tudo que ensino neste blog sobre o respeito à fisiologia do organismo. Convido você a curtir minha página do Facebook e seguir meu perfil no Instagram. Também vale a pena se inscrever em meu canal do YouTube, onde posto vídeos regularmente.

Para se aprofundar no funcionamento do organismo e fazê-lo trabalhar para você viver mais e melhor, conheça meu curso Longevidade Saudável. Por lá, eu explico sobre como você dorme melhor, muito além da alimentação, mas também com outros fatores.

Por aqui, eu espero que você tenha compreendido o que a insônia tem a ver com a alimentação.

Até a próxima!

Conheça o método para viver com muita saúde e energia.