QUANTO MAIS ALTO VOCÊ VOA, MENOR PARECE AOS OLHOS DE QUEM NÃO CONSEGUE VOAR!

 

Hoje senti uma vontade sincera de abrir meu coração para falar sobre questões que tenho conhecido de perto cada vez mais, e têm me tocado de uma maneira diferente. Tenho encontrado dificuldades em não expressar a tristeza e revolta que ocupam minha mente com a corrupção clara dentro da saúde. Em minha concepção utópica, nunca imaginei que a medicina pudesse ser tão manipulada pelos interesses das indústrias farmacêuticas. E o pior de tudo é que o consentimento de médicos que infelizmente se deixam ser manipulados desde que tenham  a cômoda situação garantida de não ter que rever, reavaliar seus conhecimentos aprendidos nas universidades brasileiras.

 

Aquela concepção que deveria ser a base de todo pensamento médico, de buscar sempre o melhor para a saúde das pessoas e fazê-lo de coração infelizmente se perdeu ao longo do tempo. Culpa de todo um sistema e não só dos profissionais, que são obrigados muitas vezes a se adaptar a este modelo absolutamente corrupto e corrompido.

 

Sei que é bem duro e difícil de vocês terem a real noção da profundidade do que falo, assim como sei que isto choca a toda uma categoria de médicos que não aceitam e preferem vendar seus olhos completamente cegados pela formação que têm nas universidades. Na realidade o circo todo já está armado e tudo que o médico faz ao se formar, é simplesmente vestir-se para a atuação.

 

São 2 mil anos dessa nossa medicina moderna que se resume a 2 etapas: Diagnóstico e Tratamento.

 

E tudo depende destas duas etapas, pois nós médicos aprendemos que o mais importante é que saibamos chegar a um diagnóstico, saber o nome da doença. Ufa, aí sim conseguimos nos sentir potentes, pois a partir daí para TODAS sempre teremos alguma droga a prescrever. E tudo está tão errado, que os próprios pacientes se sentem felizes se saem com alguma prescrição medicamentosa.  E quem nos ensina quais são estas drogas? Ora, uma pessoa que nem médico é, muitas vezes não faz ideia da fisiologia humana, mas é muito bem treinada para vender e saber explicar direitinho para que serve esta droga.

 

Então estamos assim, enquanto eu médico não encontro uma doença, vou ser obrigado a dizer a meu paciente que está tudo bem, ele deve retornar em 6 meses ou 1 ano (e aí é paciente mesmo, ao invés de cliente, pois haja paciência pra este desrespeito com as pessoas). O engraçado é que as doenças aparecem neste meio tempo, ou seja, quem está bem e com saúde não deveria se deteriorar. Os dados são tão drásticos que grande parte dos infartos acontecem “de uma hora para outra” e o primeiro contato com a pessoa é fatal. Mas se estava tudo bem, como a tragédia ocorreu?

 

É óbvio que qualquer um que pare para refletir, se questionará e perceberá que algo está errado, muito errado…

 

E hoje escreverei resumidamente sobre um médico revolucionário, humanista do bem, uma pessoa que trabalha com seu coração e que era reconhecido em sua área, a endocrinologia e ginecológica, como um expert, tinha sucesso profissional e pessoal com todos os méritos em sua área, até o dia em que parou e teve a capacidade de fazer uma reflexão autocrítica acerca da medicina que praticava.

Ficou sabendo de um movimento Anti-Aging (antienvelhecimento) nos Estados Unidos, estudou a respeito e resolveu ser inteligentemente cético a ponto de não julgar algo que não conhecia, mas abriu sua mente e se prestou a ouvir aquilo que se parecia mais racional dentro da medicina.

 

Bom, Dr. Ítalo Rachid teve um choque tão grande em se dar conta de que muito do que fazia e ensinava no Brasil estava infelizmente obsoleto (mas ainda é praticado como verdade pela medicina dita tradicional), que se sentiu obrigado a mudar. Ele teve a coragem de largar tudo que tinha no Brasil e se mudou para os Estados Unidos para ter contato efetivo com esta ciência. Ficou lá por muitos anos e retornou convencido de que tinha a obrigação de compartilhar aqueles conhecimentos com sua classe médica, sabendo que poderiam ser de grande valia no avanço do entendimento médico.

 

Ele sabia que seus conhecimentos agora faziam sentido e por isso se propôs a ensinar e dar também oportunidade para que médicos  de diversas áreas pudessem se beneficiar desta medicina do futuro completamente desprendida da tradicional e que compreende a necessidade em se tratar a saúde, buscar ativamente a otimização metabólica e prezar por uma vida longeva e saudável.

 

Acho que todos vocês devem estar pensando no quanto isto foi aproveitado pela medicina brasileira há cerca de 12 anos atrás, não é mesmo? Pois bem, bem vindos ao mundo da medicina, onde não adianta você ter sucesso e resultados clínicos excelentes, pois se você fizer uma medicina que não aprendeu na universidade e que pode fazer com que outro colega médico da mesma ou outra especialidade perca terreno e tenha que ‘reestudar’ toda base do que pratica, você será permanentemente questionado, denunciado  chamado de “louco”, etc… Então todos estes atos feitos por médicos é claro. Não entendeu? Então vamos lá: Dr. Ítalo Rachid vem sendo perseguido e constantemente chamado a dar esclarecimentos sobre seu trabalho pelos conselhos de medicina, mas nunca por pacientes, dá para acreditar? Inveja, recalque, ranço, reserva de mercado, manipulação da indústria, chame do que for.

São 12 anos de perseguição sem conseguir em NENHUM momento provas de que prejudicou uma pessoa sequer. Bem pelo contrário, faça um teste, tente agendar uma consulta com ele e verás que sua agenda é absolutamente lotada!

 

São consultas com toda atenção, de cerca de 3 horas, onde conhece seu paciente, examina, conversa, ouve, ou  seja, pratica uma medicina de verdade e usa todo seu conhecimento para fazer exatamente o que a cirurgia plástica já faz há tempo meus amigos: otimizar, melhorar a qualidade de vida das pessoas, mesmo na ausência de doenças, portanto tratando-as para que não desenvolvam aquelas doenças próprias da desaceleração relacionada ao envelhecimento.

 

Agora imaginem, coloquem-se no lugar de uma pessoa com todo reconhecimento profissional, estabilidade financeira e uma vida cômoda, que decide parar tudo em nome de um ideal, da busca pela verdade. Você teria coragem de fazer isto?

 

Pois este médico fez isto em nome da saúde e não queiram imaginar a emoção que tive em conhecê-lo de perto e sentir o quão puro é este sentimento dele de ter simplesmente tentado ajudar na evolução da medicina no país em resposta, teve que passar por tantos ataques descabidos.

 

Agora imaginem por exemplo Niemayer que despontou como um arquiteto visionário de ponta e começou a ter sucesso há muitos anos atrás. Para quem ele teve que provar que estava a frente de seu tempo? Ora, para ninguém mais do que o público dele mesmo. Será que ele teve algum ataque de outros colegas de profissão dizendo que ele não poderia “inventar” formatos e construções futurísticas para a época? É óbvio que não, sua prova foi a prática do resultado e pronto!  E porque a medicina busca “podar” visionários sem buscar em momento algum dar ouvidos e olhos a eles? Não queiram saber meus amigos, a sujeira que nós encontramos nestas relações entre medicina, governo e laboratórios farmacêuticos. Simplesmente lamentável…

Vocês podem ter certeza de que aqui está um médico que também não terá medo de enfrentar a mentira de peito aberto, sem medo por saber que quando acreditamos que estamos fazendo o bem e certos de que podemos quebrar paradigmas e mudar a história da saúde, seremos com toda certeza recompensados.

 

Minha recompensa começa pela satisfação em ter recebido centenas de emails de estudantes de medicina entusiasmados com o que escrevo, saber que tenho ajudado famílias a mudar seus estilos de vida e saber que meu combustível é de fato interminável.

 

Só tenho mesmo a agradecer não só a este médico, pois ainda farei menção a outros pela frente, mas em especial o colega e agora amigo Ítalo Rachid pela coragem que teve e continua tendo, pelo papel fundamental que exerce na medicina e pela revolução que tem a possibilidade de causar dentro do futuro da saúde. Passar por tudo que passou, ter o rosto virado por próprios familiares médicos, amigos e pessoas de seu antigo relacionamento que se sentiram ofendidos,  mesmo se propondo a ajudá-los como ouvi com muito pesar, é algo que só passam os grandes na história da humanidade.

 

Pessoas que viveram em épocas passadas e que transcenderam seus tempos, que fizeram descobertas e avanços marcantes sempre foram perseguidas, mas um dia reconhecidas. Ítalo, o seu tempo já chegou e a prova disso são seus resultados clínicos com os clientes. Prova disso é o movimento que já conta com quase 2000 médicos brasileiros das mais diversas áreas ensinados por você.

 

Parabéns! Aqueles que não são médicos merecem saber da verdade sobre sua pessoa, vinda de uma pessoa que não tem interesse algum em fazê-lo em vão.  

 

Você voa muito alto, portanto parece pequeno aos olhos de quem não consegue voar.

 

Amigos que me acompanham, tenho certeza de que sabem de minhas intenções e que falo e escrevo com o coração. Este foi um “artigo” completamente diferente, mas antes de médico sou uma pessoa igual a todos, e sinto necessidade desabafar, de rir, chorar, sonhar e homenagear, como o fiz agora.

 

Desta vez não dei dicas diretas, me desculpem, mas peço que reflitam sobre isto que leram. Se me serviu de inspiração e me deu combustível para ir atrás do que acredito, tenho certeza de que exemplos podem nos ajudar a crescer sempre. Nos ajude a denunciar e combater a corrupção na medicina, é um interesse de todos!

Busquem as suas verdades sem medo, pois isto também gera saúde e felicidade!

Dr. Victor Sorrentino