Para introduzir o assunto preciso desabafar, a verdade é que existe um sério descompasso entre as descobertas médicas e a utilização destas descobertas na prática médica. Trabalho publicado nos Estados Unidos há alguns bons anos demonstra que quando o conhecimento médico é validado, testado e já está disponível para a utilização, leva em média nada mais nada menos que 17 anos para que a medicina tradicional aproveite isso e use em seu dia a dia.

Imagine você um profissional que a vida inteira se baseou em uma teoria como por exemplo a que hormônios dão câncer. De repente ele começa a ver que trabalhos e mais trabalhos vão sendo publicados no sentido de comprovar o óbvio, que hormônios iguais aos do corpo podem ser usados e obviamente não causam câncer (se causasse câncer o jovem com seus 20 anos estaria tomado de câncer, pois está no ápice de seus níveis hormonais).

Este mesmo profissional terá que re estudar toda uma teoria e encontrar tempo, paciência e acima de tudo humildade para reconhecer que aquilo que ele praticava estava errado, fazer o que, medicina é isto mesmo, muda conforme as coisas vão se esclarecendo.

Infelizmente acontece. Há profissionais de saúde preferiram fechar os olhos, os ouvidos, pensar que é melhor continuar praticando aquilo que foi aprendido na faculdade sem ter que ir atrás de atualização e pronto, muita “dor de cabeça” ter que mudar conceitos que sempre foram ensinados como verdades absolutas como a velha frase

“gordura causa aumento de colesterol, engorda e causa infarto”.

 

O Paradigma da Gordura

 

As coisas não deveriam ser assim. Paradigmas como o da gordura foram criados há muitos anos sem comprovação científica e tornaram-se regras de ensino.

Mas essas teorias antigas que foram aceitas como verdades custaram muito caro à população que fica cada vez mais doente e, no caso da troca da gordura pelos carboidratos, levou a população a engordar absurdamente. É uma pena para as pessoas, os alunos que se formam deveriam estar atualizados, sairão com toda certeza com muitos conceitos obsoletos.

É importante que você saiba que levamos 10 mil anos para saber em medicina o que sabemos hoje e a previsão é que a base deste conhecimento irá simplesmente duplicar nos próximos 4 anos.

A falta de aceitação das evoluções da medicina e a insistência da medicina tradicional em simplesmente cegar seus olhos diante da ciência é um problema. Isto tudo que escrevi aqui é resultado de artigos científicos, não sou eu quem está dizendo.

E é exatamente um exemplo disso que trago a vocês hoje. Vou simplesmente traduzir o resumo de um artigo que foi publicado há mais de cinco anos! E o pior é que muito antes disso, já sem ter a força de vontade e paciência também de escrever estudos, médicos já sabiam disso e pregavam estas teorias.

 

Quais os Benefícios da Gordura?

 

Aqui está o foco do artigo de hoje, trechos do artigo do livro dos médicos Michael e Mary Eades, The 6-Week Cure for the Middle-Aged Middle (A cura em 6 semanas para o meio da meia-idade), chamado 7 Razões para comer mais Gordura Saturada.

Os dois médicos observam que não importam as nuances das histórias dos habitantes do quartel anti-gordura, um aspecto de seus conselhos permanece fielmente constante:

“Você devia limitar drasticamente o seu consumo de gorduras saturadas”

 

Mas as gorduras saturadas realmente aumentam o seu risco de doença cardíaca e ou de elevar seu colesterol? Uma única palavra: não!

De fato, os seres humanos precisam delas, e aqui estão apenas algumas razões que justificam isso:

1) Melhora dos fatores de risco cardiovasculares: a gordura saturada desempenha um papel chave na saúde cardiovascular. A adição de gordura saturada na dieta reduz os níveis de uma substância chamada lipoproteína (A) que tem forte correlação com o risco para doença cardíaca.

2) Ossos mais fortes: a gordura saturada é exigida para o cálcio ser eficazmente incorporado ao osso. De acordo com uma das mais importantes experts em pesquisas em gorduras dietéticas e saúde de humanos, a Drª. Mary Enig, Ph.D., essa seria a razão para que algo em torno de 50 por cento das gorduras alimentares serem na forma de gordura saturadas.

3) Saúde do fígado melhora: a gordura saturada foi demonstrada proteger o fígado do álcool e dos medicamentos, inclusive do acetaminofen (tylenol®) e outras drogas comumente usado para dor e artrite.

4) Pulmões saudáveis: para função adequada, os espaços aéreos dos pulmões têm que ser cobertos com uma camada fina de surfactante pulmonar. O conteúdo gordo de surfactante do pulmão é 100 por cento ácidos graxos saturados. A substituição destas gorduras críticas por outros tipos de gorduras torna o surfactante defeituoso e potencialmente causado de dificuldades respiratórias.

5) Cérebro saudável: seu cérebro é principalmente feito de gordura e colesterol. A maior parte dos ácidos graxos no cérebro são realmente saturados. Uma dieta que restringe gorduras saturadas saudáveis rouba o seu cérebro das matérias-primas que precisa para funcionar de forma ótima.

6) Sinalização de nervo adequada: algumas gorduras saturadas, particularmente aquelas encontradas na manteiga, banha, gordura de coco, e gordura de palma, funcionam diretamente como mensageiras de sinalização que influenciam o metabolismo, incluindo algumas tarefas críticas como a liberação apropriada da insulina.

7) Sistema imunológico forte: as gorduras saturadas achadas na manteiga e gordura de coco (ácido mirístico e ácido e láurico) desempenham papéis chave na saúde imunológica. A deficiência de ácidos graxos saturados nas células brancas do sangue diminui sua habilidade de reconhecer e destruir invasores externos, como vírus, bactérias, e fungos.

Veja bem que não estou aconselhando que comece a ingerir o máximo possível de gorduras, estou mostrando fatos e fontes que levam a comprovar a vocês aquilo que sempre digo a respeito do atraso da medicina e o quanto as pessoas poderiam estar sendo beneficiadas pelos avanços que simplesmente não chegam a elas.

 

Espero que tenha servido no sentido da orientação da ingestão de gorduras saudáveis com moderação, tenha em mente que o recomendável é que 28% da ingestão calórica diária seja gordura, encontrada nos alimentos, nunca em produtos industrializados.

 

Algumas considerações finais sobre o assunto:

  • Gordura não vira colesterol, não há via metabólica para este processo.
  • Carboidratos viram gordura, então estes são grandes vilões quando em excesso e dependendo da qualidade dos mesmos; note que existem aminoácidos classificados como essenciais, gorduras também, no entanto não há nenhum carboidrato com a classificação de essencial à vida.
  • Determinadas gorduras são essenciais à vida, então não tenha medo, busque orientação e simplesmente respeite o excesso, priorizando as de boa qualidade, muitas dúvidas surgem aí, já indico que leia os artigos sobre a maionese e prometo em breve artigos sobre coco, abacate, ovo, azeite de oliva, lendo eles será possível identificar o que é bom e o que é ruim.
  • Uma dieta saudável e balanceada deve contar com o mínimo de 25% da ingestão calórica de gorduras boas.
  • Pesquisas mostram que quando mulheres entram em dieta, aquelas que se alimentam comendo um maior percentual de gordura total em suas dietas como gorduras saturadas perdem mais peso.

 

Assista também o meu vídeo no Youtube sobre Gordura.

Dr. Victor Sorrentino