O poder do sol e seus benefícios para a saúde vêm sendo estudados há milhares de anos.

Afinal, tomar sol faz bem?

Por muito tempo, fomos doutrinados acerca de seus muitos perigos e sobre a necessidade de se fugir dos raios solares a qualquer custo.

Esta “demonização” do sol teve – e continua tendo – um reflexo profundo na quantidade de enfermidades que vejo em consultório relacionadas aos baixos níveis de Vitamina D em meus pacientes.

Costumo dizer que ainda quero ver o dia em que a medicina tradicional terá de pedir desculpas à população por tantos equívocos.

Continue lendo para entender a real relação entre o sol, a Vitamina D e a sua saúde.

 

De onde vem a Vitamina D?

 

Para começo de conversa, é preciso se perguntar: a Vitamina D é realmente uma vitamina? Posso consumi-la através de algum alimento?

Bem, a Vitamina D não está presente em nossa dieta. Você não pode “comer” Vitamina D.

A natureza planejou sabiamente que ela fosse produzida em sua pele.

O segundo ponto diz respeito ao fato de que, na verdade, a Vitamina D se trata de um pré-hormônio.

Sim, caros amigos: a sua produção é realizada da mesma forma que qualquer outro hormônio esteroidal no corpo humano.

O processo se inicia quando a luz solar entra em contato com a sua pele e atinge uma molécula de pré-Colesterol.

Então, o seu fígado converte a Vitamina D produzida a partir deste contato na forma de armazenamento chamada Calcidiol. Por fim, o corpo armazena o Calcidiol no sangue e na gordura para o uso posterior.

 

Sua importância para a saúde

 

Em seu livro, o endocrinologista americano Michael Holick (simplesmente a maior autoridade mundial sobre o assunto) aponta a grande importância de bons níveis de Vitamina D para o funcionamento adequado do organismo humano:

  • Crucial para a absorção de cálcio nos ossos;
  • Protege e previne contra o câncer de mama, próstata, intestino e ovários;
  • Baixos níveis da vitamina estão associados a um maior risco de obesidade, doenças degenerativas, depressão, perda de força muscular e um risco 60% maior de desenvolver doenças cardiovasculares;

A verdade é que a Vitamina D é um hormônio tão fundamental para você que absolutamente todas as células do seu corpo possuem receptores para ela!

Além disso, está relacionada metabolicamente a mais de 2.000 genes funcionais, ou seja, cerca de 10% do total dos seus genes funcionais, os quais podem ser afetados positiva ou negativamente por este hormônio.

Dentre suas diversas propriedades, posso destacar seu papel no equilíbrio da pressão arterial.

Sabe-se que através da Vitamina D, o corpo sintetiza uma proteína chamada Fator Inibidor de Renina, que está envolvida diretamente na manutenção da pressão.

As milhares de pessoas que utilizam drogas anti-hipertensivas poderiam estar ao menos se beneficiando com a exposição diária ao sol.

 

 

Na prevenção de doenças

 

Em relação ao câncer, pesquisadores do German Cancer Research Center conduziram um estudo pioneiro que avaliava a relação entre a Vitamina D e o câncer de mama em mulheres na pré-menopausa. O resultado?

Ficou comprovado que a Vitamina D possui efeitos protetores contra o câncer de mama.

Em estudos posteriores, mulheres que apresentavam deficiência do hormônio apresentavam um risco 253% maior de desenvolvimento do câncer colorretal (de intestino).

Você pode ler mais sobre a prevenção ao câncer de mama aqui. 

Não fosse o bastante, ainda falando de prevenção: a Vitamina D é a moduladora da síntese de um tipo de proteína chamada peptídeo.

Quando você é infectado por um vírus, por exemplo, o seu corpo só conseguirá responder adequadamente a este invasor se produzir… sim, o peptídeo!

É ele quem faz a “quebra” da membrana da bactéria ou vírus para que o seu sistema imunológico possa então atacá-lo.

Posso citar uma dezena de doenças que estão atreladas aos baixos níveis dessa vitamina no corpo. Algumas:

  • Diabetes
  • Esclerose Múltipla (a vitamina D já está sendo usada como tratamento para esta doença que atualmente não tem remédio que trate)
  • Osteoporose
  • Psoríase
  • Raquitismo
  • Tuberculose
  • Entre outras.

 

Ainda tem dúvidas de que tomar sol faz bem?

Leia também o post “Como se manter saudável apesar do tempo” onde falo de outros fatores, além da exposição ao sol, que vão te auxiliar na busca por uma vida sem doenças. 

 

Será que você está na média?

 

Um ponto muito importante que devo trazer é no que diz respeito aos níveis considerados “normais” ou “na média” para exames que analisam os níveis de vitamina D no corpo.

Quero que todos entendam que esta “média” na verdade é a média da população analisada.

É apenas uma questão puramente matemática da situação geral da sociedade – que sejamos honestos, encontra-se em sua grande maioria com níveis de D3 muito abaixo do recomendado.

Então, se você realiza um exame para descobrir se está com deficiência deste hormônio, e descobre que apesar de vários sintomas (fadiga, desânimo, tristeza) você está na MÉDIA…bem, você está na média matemática, não na média da saúde. 

 

Uma decisão consciente

 

Por fim, meus amigos, não estou sugerindo que você passe o dia torrando ao sol. Não é isso. Excessos nunca são bons e podem gerar danos irreparáveis à sua saúde e pele.

Estou querendo dizer que é fundamental que você tente aproveitar pelo menos um pouco de sol diariamente, e se isso não for possível, procure um médico que saiba lhe avaliar e orientar a suplementação adequada para seu caso individual.

Lembrando que a ingestão de suplementos de Vitamina D ocorre principalmente através de gotas oleosas, já que se trata de um hormônio lipossolúvel, ou seja, necessita de gordura para ser absorvido. 

Para mim, o melhor médico é aquele que realmente se importa com a pessoa que está ali à sua frente e busca compreendê-la de verdade, estudando a fundo cada caso e não apenas enquadrando-o em algum protocolo genérico embasado em uma medicina que insiste fechar os olhos para este poderoso aliado da saúde.

 

Dr. Victor Sorrentino